ECONOMIA E INOVAÇÃO: As Startups do Nordeste

 ECONOMIA E INOVAÇÃO: As Startups do Nordeste

As Startups do Nordeste

A Associação Brasileira de Startup (Abstartups), realizou uma pesquisa em 2020 para conhecer e entender o cenário atual das startups brasileiras. No mapeamento, é possível encontrar dados e informações sobre os principais polos de startups do Brasil e toda a diversidade que caracteriza o ecossistema no país. A pesquisa ocorreu no período de maio a setembro de 2020, com uma amostragem de 3.000 startups de todo o Brasil. Vamos tratar aqui do mapeamento das comunidades do Nordeste.

O que a pesquisa capturou sobre as Startups do Nordeste

Área de Atuação

O mapeamento mostrou que 23,6% atuam na área de educação, 18,2% em saúde, 10,8% em desenvolvimento de software, 9,6% finanças, 7,4% em e-commerce, 6,9% comunicação e marketing, e as demais em agronegócio, impacto social, transporte e mobilidade urbana, e gestão.

Tamanho das Equipes

Cerca de 66,2% têm equipe entre 1 e 5 pessoas, 22,3% entre 6 e 10 pessoas, e cerca de 5,8% mencionaram ter entre 11 e 20 pessoas em sua equipe.

Fase das Startups

As startups passam por um processo de desenvolvimento que envolve algumas etapas. Segundo a Abstartups, essas etapas são: ideação, operação, tração e scale-up. Ver a figura 1 com os detalhes de cada fase ou etapas.

{{value.image}}

Figura 1. Fases de uma Startup.jpg

O mapeamento identificou que cerca de 35,7% das startups do nordeste estavam vinculadas à fase de validação, 20,4%, na fase de tração, 19% em operação, 17,1% no estágio de ideação, e cerca de 7,8% estavam no estágio de scale-up.

Público-Alvo

No geral, as startups do nordeste concentram-se basicamente em três mercados: 44,8% Business-to-Business-to-Consumer (B2B2C), 32,2% concentram-se no business-to-business (B2B), e em torno de 16,9% no Business to Consumer (B2C), como pode ser visto no gráfico 1 logo abaixo.

{{value.image}}

Gráfico 1. Público-Alvo das Startups do Nordeste (%).jpg

O Modelo de Negócio

A expressão modelo de negócios tem sido utilizada tanto por acadêmicos como por businessman, principalmente depois que surgiram os negócios baseados na Internet, transformando a expressão numa das mais populares no mundo dos negócios e na literatura de gestão empresarial.

Segundo o Sebrae, o modelo de negócios é a forma como uma empresa cria, entrega e captura valor. Ou, é como a empresa transforma time, produto e gestão em receita, lucros e retorno para os acionistas.

Os modelos de negócios são diversos, dependendo da finalidade e do propósito do que se quer empreender, digamos assim, portanto, únicos. Podemos falar em B2C (business to consumer), quando a venda é direta para o público final; B2B (business to business), quando o cliente são outras companhias, sejam elas grandes empresas, pequenas ou médias; B2G, quando o governo é o maior consumidor; C2C, quando pessoas físicas vendem os produtos da empresa a outros consumidores; ou uma variedade de outras siglas como O2O (online to offline), entre outros.

A pesquisa da Abstartups revelou que 28,% das startups do nordeste estavam orientadas para o modelo de negócio Software as a Service (SaaS), ou seja, o principal não está na venda de uma licença para uso do software – como se fosse um produto -, mas sim na entrega constante do serviço; 15,7% tinham o modelo de negócio baseado na venda direta; cerca de 11,3% têm o marketplace como modelo de negócio – plataforma que conecta oferta e demanda por produtos e serviços. O gráfico abaixo ilustra a diversidade de modelos de negócios das startups nordestinas.

{{value.image}}

Gráfico 2. Modelo de Negócio das Startups do Nordeste (%).jpg

Considerando o SaaS como principal modelo de negócio das startups do nordeste, o gráfico abaixo ilustra o percentual desse modelo, nos principais ecossistemas da região, por localidade.

{{value.image}}

Gráfico 3. Percentual (%) do SaaS como Principal Modelo de Negócio dos Ecossistemas da Região (por localidade) .jpg

Impacto da Pandemia nas Startups do Nordeste

A pesquisa também revelou o impacto da pandemia nas startups da região. O impacto maior foi na dinâmica da aquisição de clientes e nas vendas (53,2%), seguido pela redução nas negociações de investimento (16,3%), e em seguida impactando no faturamento (14,7%). O gráfico 4 ilustra as áreas de maior impacto da pandemia nas startups.

{{value.image}}

Gráfico 4. Impacto da Pandemia nas Startups do Nordeste (%).jpg

No que se refere especificamente ao impacto da pandemia no faturamento, cerca de 50,1% informaram que o faturamento permaneceu o mesmo, 15,9% revelaram que houve redução de mais de 50% do faturamento, 6,5% mencionaram que o faturamento reduziu 50%, em 5,9% das startups, o impacto da pandemia fez reduzir 30% do faturamento.

Mas pandemia permitiu que algumas startups aumentassem seu faturamento. Nesse sentido, 6,4% informaram que o faturamento aumentou mais de 50%, cerca de 4,8% tiveram seu faturamento ampliado em 30%, e 5,2% das startups pesquisadas mencionaram que o faturamento aumentou 10%.

Um fator importante detectado pela pesquisa foi que as startups conseguiram manter seus quadros funcionais – 87% informaram que não realizaram desligamentos de funcionários. Sobre as contratações, 73,3% mencionaram que não fizeram contratações na pandemia.

Algumas comentários finais

O cenário revelado pela pesquisa é muito interessante. O Nordeste é uma região que se revela cheia de talentos, estão construindo uma trajetória com base em novos negócios, inovações, e gerando oportunidades para jovens talentos, abrindo novos campos de aprendizado. Outras informações relevantes merecem algumas reflexões:

  1. Parte significativa da origem dos investimentos das stratups é de outro estado (39,4%), cerca de 21,9% são do mesmo estado e 33,9% é local.
  2. O universo das startups ainda é masculino. Cerca de 59,5% dos fundadores são homens, apenas 13,4% são do gênero feminino.
  3. Com relação à raça, a pesquisa mostrou que a maioria dos fundadores são brancos (45,5%), cerca de 37,5% são da cor parda e somente 11,1% são negros.
  4. As startups são jovens!!! 22,5% têm fundadores com idade entre 20-25 anos, cerca de 20,6% têm entre 26-30 anos, 20% das startups têm fundadores com idade entre 31-35 anos, 15,9% têm idade entre 35-40 anos.

Até mais!

 

ECONOMIA E INOVAÇÃO 

Por: Sudanês B. Pereira – Economista, com formação na Universidade Federal de Sergipe (UFS), Mestre em Geografia (desenvolvimento regional) e Especialista em Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC).

 

 

Posts Relacionados