Chove nesse momento na Capital dos Bordados!

 Chove nesse momento na Capital dos Bordados!

Defesa Civil: Alerta de Chuvas com intensidade moderada dentro das 24h em seu município. Atenção moradores de áreas de risco. Em caso de emergência, ligar 193!

“No transcorrer dessa semana, a partir de hoje, 4 de maio, o tempo estará com instabilidades variadas, com algumas precipitações, outros dias parcialmente nublados e ensolarados, com dias parcialmente nublados sem ocorrências de precipitações com valores consideráveis em todas regiões do estado e temperaturas que podem chegar a mínima de 21 graus”. A previsão vem do Centro de Meteorologia de Sergipe (CMS), da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade (Sedurbs), feita a partir dos equipamentos do Governo de Sergipe, com a análise do meteorologista, Overland Amaral.

 “Como aconteceu nesta madrugada, as chuvas ocorrerão sempre no no fim da tarde, pela manhã, a noite e madrugada, ao longo da semana e em dias alternados, porém, a mudança climática será sempre entre a madrugada e o amanhecer”, explicou.

 

Segundo ele, nos próximos dias as precipitações irão variar, o fenômeno volta com maior índice de nebulosidade e instabilidade nos períodos matinais, final de tarde e madrugada. Hoje, o retorno acontece de forma variável com predominância de sol entre nuvens com o tempo parcialmente nublado, enquanto que no domingo ela continua com as mesmas características iniciadas na segunda-feira, ou seja, durante a madrugada”.

 

Trovoada – fenômenos naturais

 

Uma trovoada é a situação meteorológica caracterizada pela presença de raios e seu efeito acústico na atmosfera terrestre conhecida por trovão.[1]

Para uma trovoada se formar é necessário que exista elevação de ar húmido numa atmosfera instável. A atmosfera fica instável quando as condições são tais que uma bolha de ar quente em ascensão pode continuar a subir porque continua mais quente do que o ar ambiente. (A elevação do ar quente é um mecanismo que tenta restabelecer a estabilidade. Do mesmo modo, o ar mais frio tende a descer e a afundar-se enquanto se mantiver mais frio do que o ar na sua vizinhança.) Se elevação de ar é suficientemente forte, o ar arrefece (adiabaticamente) até temperaturas abaixo do ponto de orvalho e condensa, libertando calor latente que promove a elevação do ar e “alimenta” a trovoada. Formam-se cumulonimbus isolados com grande desenvolvimento vertical (podendo ir até 10 ou 18 mil metros de altitude) alimentado pelas correntes ascendentes de ar.

 

As trovoadas podem-se formar no interior das massas de ar (a partir da elevação do ar por convecção – comum em terra nas tardes de verão – quando o aquecimento da superfície atinge o seu pico – e sobre o mar nas madrugadas de inverno, quando as águas estão relativamente quentes); por efeito orográfico – (a barlavento das grandes montanhas) ou estar associadas a frentes – sendo mais intensas no caso das frentes frias.

 

Direto da redação 

Posts Relacionados